João Onofre: We have to ensure that the EU delivers what citizens expect from it!

Age: 47
Nationality: Portuguese
Occupation: European Commission, Head of Unit at the Directorate-General for Agriculture and Rural development
Hobbies: Sports (football, tennis, running), reading, cinema, travelling, cooking for friends
Languages you speak: Portuguese, English, French, Spanish, Italian

Versão portoguese
Deutsche Zusammenfassung
Sommaire en français
Another voice from Lisbon: João’s sister

You are Portuguese. What do you think that Europe means to most Portuguese?

When I was born, Portugal was a closed and backward country. My family had been profoundly marked by the right-wing dictatorship and was strongly attached to democratic principles. I grew up in a country looking for openness, democracy and economic development. European membership was a strong rupture with my country’s Atlantic historic tradition but also the obvious choice then. Portugal radically changed since it became member of the EU in 1986, mostly for the better. Harsh reality came upon the Portuguese when an austerity programme was imposed in 2011. Now that the programme ended, relations with the EU will necessarily be much more healthy again.

Even if I am living in Brussels now I have never lost touch with my country. I have a big family in Portugal that I visit regularly. I try to be present at all the major family events. And over time this became easier and cheaper thanks to Europe and to the low cost flights!

“Many positive developments stemming from European decisions are so deeply integrated in our everyday life that you do not even realize anymore that it is about Europe: free travelling, high standards in education, work safety or environmental protection. I wish Europe will be able to continue its role of motor of European integration for the better.”


How did it come that you work for the European Commission?

I started my studies at university at the time when Portugal became member of the EU and when I graduated I immediately applied for a 5 months traineeship at the European Commission. I arrived in Brussels in the autumn of 1991 and decided that I wanted to work for Europe. Those were the times of euro-enthusiasm of the Jacques Delors Commission, the Maastricht Treaty and Objective 92 (the completion of the European Single Market). Europe was a great challenge for a newcomer and I grabbed it at once. And Brussels has turned out to be a great place to live, with so many different people from all over the continent and beyond.

What are you doing concretely in Brussels?

Since almost 3 years I am in charge of the European Commission’s organics unit at the Directorate-general for agriculture and rural development. We are developing and monitoring standards for organic production in the EU, as well as rules for controls and international trade. In this job the link with the everyday lives of citizens is obvious! Organics is a file where there is a perfect alliance between consumers expecting quality food respecting high environmental standards, and farmers getting higher prices for their produce. We work to the end that the EU logo on organic food is a guarantee for all consumers that the labelled products are organic. For me it is a really strong motivation every day to make sure that the EU organic logo delivers what the citizens expect from it. I love my job, but I guess I spend too much time in the office. My 2 teenagers grow very fast and I struggle to spend as much quality time with them as possible.

This seems to be a very stressful live with long working days and much travelling.

I have to admit that I love to travel, especially to far away exotic places, even if it is only for work. And besides my family activities I do as much sport as I can. I used to play football and tennis, but these are no longer very good for my ageing knees. I do long-distance running. Sport really helps me to re-establish my energy levels and my balance after a hard working day.

What is the greatest success of the European Union for you and where could it do better?

The EU’s greatest success is undoubtedly bringing long-lasting peace and stability to this continent. It has been a long and winding road since the Treaty of Rome in 1957. Some results as too detailed legislation may seem strange, but if we keep an eye on the big picture, Europe is an outstanding success! Before the financial crisis, Europe was associated with economic prosperity. With the slumping economy and the challenge of an expanding Europe with 28 different nationalities, prosperity is not so self-evident anymore. Europe has to deliver there because it can only be successful if it will be able to bring economic prosperity to most of its citizens.

Is there a negative myth about Europe you want to rectify? What is your biggest wish for Europe?

Europe is often accused of being a technocratic project and being too far away from citizens’ concerns. This is because Europe is seen as a threat to national interests, and it is only too tempting for national politicians to Playa-en-Algarve-Portugalblame it on Europe if results are not what you expect. In fact many positive developments stemming from European decisions are so deeply integrated in our everyday life that you do not even realize anymore that it is about Europe. Free travelling, high standards in education, work safety or environment are good examples. I wish Europe will be able to continue to fulfil its role of motor of European integration for the better. This is a harder challenge now, in times where the economy slumps and national interest seem to prevail, but as I said, we should not lose sight of the big picture.

Sometimes one has the impression that negotiations in Europe or at international level are useless and turn in circles.

Last year, I spent 2 days in Seoul trying to finalize an equivalence agreement on organic products with Korea. It has been a very frustrating and inconclusive negotiation. There was no way to break the deadlock, even though I used all the possible alternatives and flexibilities available to me. Next day, waiting for my plane back, I got an email from one of the Korean negotiators, written in a very poor English but indicating his respect for me having tried all efforts to conclude the agreement. Having obtained the confidence and respect of my Korean partners, it was much easier to find a very favourable agreement for the EU at the following negotiation. This is what Europe is also very much about!

Stability, Prosperity and Freedom, Europe is our future. It is up to all of us!

para

Idade: 47
Nacionalidade: Português
Profissão: Comissão Europeia, chefe de unidade na Direção-Geral da Agricultura e do Desenvolvimento Rural
Ocupação de tempos livres: Desportos (ténis, futebol, jogging), leitura, cinema, viagens, cozinhar para amigos.
Línguas: Português, inglês, francês, espanhol, italiano

João Onofre: Temos de garantir que a UE cumpra as expectativas dos cidadãos!

O que pensa que a Europa significa para mais português?

Quando nasci, Portugal era um país fechado e            atrasado. A minha família foi profundamente marcada pela ditadura de direita e tinha sólidos princípios democráticos. Cresci num país à procura de abertura, na democracia e no desenvolvimento económico. Aderir à União Europeia representou uma verdadeira rutura com a orientação atlântica histórica do meu país, mas que era igualmente a escolha óbvia na altura. Portugal alterou-se radicalmente desde que se tornou membro da UE em 1986, principalmente para melhor. Mais recentemente, os portugueses enfrentaram a dura realidade no âmbito do programa de austeridade imposto em 2011. Uma vez que o programa já terminou, a relação com a UE tornar-se-à muito mais saudável de novo.

Apesar de estar a viver em Bruxelas, tenho mantido sempre o contacto com o meu país. Tenho uma grande família em Portugal, que visito regularmente. Tento estar presente em todas as principais reuniões familiares. E, ao longo do tempo, tornou-se mais muito mais fácil e barato, graças à Europa e aos voos low-cost…

Muitos desenvolvimentos positivos decorrentes de decisões europeias estão tão profundamente enraízados na nossa vida quotidiana que as pessoas nem sequer aperceber-se de que estas foram constituídas em virtude da Europa: a liberdade de viajar e elevados padrões de educação, a segurança no trabalho ou regras de proteção ambiental. Espero que a Europa possa continuar a desempenhar o seu papel de motor da integração


Como vieste trabalhar na Comissão Europeia?

Iniciei os meus estudos universitários no momento em que Portugal se tornou membro da UE e, assim que me licenciei, candidatei-me imediatamente a um estágio de cinco meses na Comissão Europeia. Cheguei a Bruxelas no outono de 1991 e decidi que desejava trabalhar para a Europa. Eram os tempos do “euro-entusiasmo” da Comissão presidida por Jacques Delors, do Tratado de Maastricht, e do objetivo 1992 para a realização do mercado único europeu. A Europa era uma excelente oportunidade e eu agarrei-a imediatamente. E Bruxelas, revelou-se uma ótima cidade para se viver, com uma magnífico ambiente cosmopolita e grande qualidade de vida.

O que está então concretamente a fazer em Bruxelas?

Sou responsável da Comissão Europeia Unidade “Produtos biológicos” na Direção-Geral da Agricultura e do desenvolvimento rural. Desenvolvemos e fazemos aplicar as normas para produção de alimentos biológicos na UE, bem como as correspondentes regras para os controlos e o comércio internacional. Neste trabalho, a ligação com a vida quotidiana dos cidadãos é óbvia! A agricultura biológica faz uma perfeita correspondência entre os consumidores que esperam alimentos de qualidade que respeitem elevados padrões ambientais, e permite aos agricultores a obtenção de preços mais elevados para os seus produtos. Trabalhamos para assegurar que o logótipo de «produto biológico” da UE constitui uma garantia para os consumidores de que os produtos rotulados são biológicos.

Como consegue controlar o stress na sua vida, com longos dias de trabalho e muitas deslocações?

Para mim, é uma motivação forte todos os dias a fim de assegurar que o logótipo de produção biológica da UE respeite o que os cidadãos europeus esperam dele. Gosto muito do meu trabalho, mas passo de facto demasiado tempo no gabinete. Os meus dois filhos adolescentes estão a crescer muito rapidamente e tento passar suficiente tempo de qualidade com eles. Devo confessar a gosto muito de viajar, mesmo que seja apenas em serviço. Para além da minhas atividades familiares, faço regularmente desporto. Costumava jogar futebol e ténis, mas estes já não são especialmente indicados para os meus joelhos…. Gosto de praticar jogging e fazer corridas de longa distância. O desporto contribui efetivamente para me para restabelecer o nível de energia e o equilíbrio após o dia de trabalho.

Na sua opinião, qual é o maior êxito da União Europeia o que é que ela poderia fazer melhor?

O maior êxito da UE é, sem dúvida, a construção da paz e a estabilidade no continente. O percurso da UE desde o Tratado de Roma, em 1957 em sido longo e sinuoso. Mesmo que alguma legislação possa parecer estranha e demasiado pormenorizadas, é importante continuar a olhar para a imagem global, e aí a Europa é um êxito notável! Antes da crise financeira, a Europa era associada à prosperidade económica. Com a estagnação da economia e o desafio de uma Europa em expansão com 28 Estados-Membros com níveis de desenvolvimento muito diferentes, a assegurar a prosperidade dos cidadãos europeus já não parece evidente. A Europa tem de encontrar esse caminho, porque só pode ser bem sucedida se for capaz de continuar a trazer prosperidade económica à maioria dos seus cidadãos.

Existe um mito negativo sobre a Europa que pretende corrigir ? Quais é o seu maior desejo para a Europa?

A Europa é muitas vezes acusada de ser demasiado tecnocrática e distante das preocupações dos cidadãos. Isto porque a Europa é vista como uma ameaça para os interesses nacionais, e é muito tentador para os políticos nacionais para atribuir as culpas à Europa por resultados aquém dos esperados. Na verdade, muitos desenvolvimentos positivos decorrentes de decisões europeias estão tão profundamente enraízados na nossa vida quotidiana que as pessoas nem sequer aperceber-se de que estas foram constituídas em virtude da Europa. A liberdade de viajar e elevados padrões de educação, a segurança no trabalho ou regras de proteção ambiental são bons exemplos. Espero que a Europa possa continuar a desempenhar o seu papel de motor da integração. Trata-se de um desafio mais difícil agora, num momento em que a economia diminui e os interesses nacionais parecem prevalecer — mas, tal como afirmei, não devemos perder de vista o quadro geral….

É uma ideia exata que as negociações europeias ou internacionais são muitas vezes longas e difíceis?

Ano passado, estive dois dias em Seul (Coreia do Sul),n a tentativa de concluir um acordo de equivalência mútua para os produtos biológicos. Foi uma ronda negocial bastante frustrante e inconclusiva. Não havia qualquer forma de ultrapassar o impasse, apesar de eu ter explorado todas as alternativas possíveis. No dia seguinte, enquanto esperava no aeroporto pelo avião de volta a Bruxelas, recebi uma mensagem de correio eletrónico de um dos negociadores coreanos, redigida em inglês muito deficiente, indicando o seu respeito por todos os meus esforços para concluir um acordo. Certo de ter obtido a confiança e o respeito das minhas parceiros coreanos, foi muito mais fácil encontrar um acordo muito favorável para a UE na seguinte ronda de negociações.

Estabilidade, prosperidade e liberdade. A Europa é o nosso futuro. Depende de todos nós!

para

Alter: 47
Nationalität: Portugal
Beruf: Abteilungsleiter in der Generaldirektion Landwirtschaft und ländliche Entwicklung der Europäischen Kommission
Hobbies:
Sport, Lesen, Kino, Reisen, Kochen
Sprachen: Portugiesisch, Englisch, Französisch, Deutsch

Joao Onofre: Europa muss liefern, was sich die Bürger erwarten!

Für den 47jährigen Portugiesen war eine Karriere bei den Europäischen Institutionen die richtige Wahl: Sofort nach seinem Studium entschloss er sich zu einem Praktikum in Brüssel und blieb. Seit drei Jahren arbeitet er in der Generaldirektion Landwirtschaft im Bereich der biologischen Landwirtschaft.

Friede und Stabilität sind für ihn die größten Errungenschaften Europas. Angesichts der derzeitigen Krise liegt die bedeutendste Herausforderung in der Erlangung des wirtschaftlichen Wohlstands für die BürgerInnen. Am meisten stört ihn, dass Europa oft als technokratisches Projekt gesehen wird, das sich zu weit von den BürgerInnen entfernt hat. Nationale PolitikerInnen würden zu oft den bequemen Weg des „Brüssel-bashing“ gehen.

Wenn den polyglotten Vater (er spricht neben seiner Muttersprache Englisch, Französisch, Spanisch und Italienisch) seine beiden Teenager nicht gerade auf Trab halten, versucht er sich mit Sport fit zu halten. Das gibt ihm wieder Energie für einen langen Arbeitstag. João liebt es zu reisen und mit FreundInnen zu kochen. Er liest gerne Geschichtsbücher und geht besonders gern ins Kino.

Stabilität, Wohlstand und Freiheit. Europa ist unsere Zukunft. Es liegt an uns allen!

para

Age: 47
Nationalité: Portugaise
Occupation: Commission européenne, Chef d’unité à la Direction général de l’Agriculture et du Développement rural
Hobbies: Sport, lecture, cinéma, voyages, cuisiner
Langues: Portugais, Anglais, Français, Espagnole, Italien


João Onofre: L’UE doit fournir avant tout ce que les citoyens attendent d’elle!

“L’Europe est souvent accusée d’être un projet technocratique loin des préoccupations des citoyens. C’est parce que l’Europe est perçue comme une menace pour les intérêts nationaux, car il est trop tentant pour les politiciens nationaux de rejeter la faute sur l’Europe !”

D’avoir grandi dans le Portugal des généraux, João a gardé un attachement farouche aux principes démocratiques. Son enthousiasme pour l’adhésion de son pays à l’UE l’a conduit à candidater pour un stage à Bruxelles, à la veille de la signature du Traité de Maastricht. Et vingt-cinq ans plus tard, c’est ce même enthousiasme qui le guide dans son travail dans le domaine de l’agriculture. Il estime que l’Union doit avant tout répondre aux attentes de ses citoyens – aujourd’hui la prospérité économique, comme hier la liberté de mouvement, la sécurité au travail, la qualité de l’éducation ou la protection de l’environnement. João n’a pas perdu de vue ses racines portugaises, et cela d’autant plus qu’il travaille au quotidien sur l’agriculture locale, biologique, et le développement rural.

Stabilité, prospérité, liberté. L’Europe est notre avenir. Cela ne tient qu’à nous !

 

para

Age: 42
Nationality: Portuguese
Occupation: Software Developer/Information Systems Management for the Portuguese 6th National Forest Inventory
Hobbies:  Reading, cinema, sports
My link with main interviewee: Sister

IMG_7923Raquel Onofre Capelo: We need strong leadership in Europe to promote citizens’ rights and well-being for all

You live in Lisbon. How does Europe impact on your life?

One of the most important impacts is how easily people can now move across borders inn Europe. The Schengen Agreement led to free circulation in Europe and, as a result, we better understand each other’s cultures and values. The Euro also reinforces mobility across European countries. For a small country like Portugal, with half its border facing to sea, I find this exchange of cultures quite important.

What do you think that people in your country are most worried about when it comes to Europe?

In Portugal major concerns are focused on the financial crisis we have been living through for some years now. The extreme efforts to comply with national obligations towards the Troika’s loan are very present in our public debate. In spite of these difficulties, Portugal has been able to achieve important goals for its economic recovery such as attracting world-wide attention to the great quality of Portuguese wine, or our textiles and shoes. This has been possible because young innovative entrepreneurs as well and traditional factory owners were closely working together.

What is your biggest wish for Europe?

I wish that Europe will overcome all possible crises by well using its experience and by keeping the lessons we learnt from history as our guide. We need strong leadership in Europe but also full commitment to promote citizens’ rights and well-being for all.

How do you know João Onofre (main interviewee)? If João was your personal ambassador to “Brussels”, what message would you like him or her to deliver there for you and your family, friends, colleagues or business partners?

João is my brother and I strongly support his work. João is a very committed professional, always focused on the best results possible. His ability to critically analyse situations and foreseeing outcomes always impressed me. He is a true European citizen and always shows me a different and interesting perspective to think about. I have always felt João represents me and my ideas well.

 

para

Idade: 42
Nacionalidade: Português
Profissão: Desenvolvimento de software/Gestão de sistemas de informação do sexto Inventário Florestal Nacional, Portugal
Ocupação de tempos livres: Leitura, cinema, desporto
A minha ligação com o principal entrevistado: Irmã

Raquel Onofre Capelo: Precisamos de uma liderança forte na Europa para promover os direitos dos cidadãos e o bem-estar para todos

Vive em Lisboa. Como é que a Europa afeta a sua vida?

Um dos impactos mais importantes é a facilidade com que as pessoas podem agora atravessar as fronteiras na Europa. O Acordo de Schengen conduziu à livre circulação na Europa e, consequentemente, tem havido uma maior partilha de valores entre culturas desde então. O euro também reforça a mobilidade entre países europeus. Para um país pequeno como Portugal, com metade da sua fronteira voltada para o mar, considero este intercâmbio de culturas bastante importante.

O que pensa serem as principais preocupações das pessoas no seu país relativamente à Europa?

Em Portugal, a grande preocupação para a maioria das pessoas é, obviamente, a crise financeira que se tem vivido, assim como os enormes sacrifícios que têm sido exigidos de forma a cumprir com as responsabilidades nacionais face à Troika. Apesar das dificuldades, Portugal tem conseguido objectivos importantes para a sua economia, tais como tornar-se auto-suficiente na produção de azeite ou na captação das atenções internacionais para os excelentes vinhos que produz. O sector dos têxteis e calçado têm vindo a conquistar nova implementação internacional, numa associação inovadora entre a indústria tradicional e jovens empresários. A produção de produtos de elevada qualidade tem sido uma forma comprovada de criar riqueza.

Quais é o seu maior desejo para a Europa?

Espero que a Europa possa ultrapassar os desafios vindouros, atenta à sua história e experiência. O meu maior desejo para a Europa é uma liderança forte que dê prioridade aos direitos e bem-estar dos cidadãos.

Como conhece João Onofre? Se João fosse o seu embaixador em «Bruxelas», que tipo de mensagem gostaria que ele transmitisse, para si e para a sua família, amigos ou colegas?

O João é o meu irmão e eu apoio com entusiamo o seu trabalho. O João é um profissional muito empenhado, que está sempre à procura do melhor resultado possível. A sua capacidade de análise crítica das situações e de antever as consequências, sempre me impressionaram. É um verdadeiro cidadão europeu e mostra-me sempre uma perspectiva diferente e interessante que me faz pensar. Sempre achei que o João me representa bem.

 

para

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Comments are closed.